Com cliente puxando as tendências, mercado se vê impelido a reinventar o relacionamento, mergulhando de vez no mundo digital.

Já foi dito que o cliente está no comando. Portanto, ainda pensar em impor algo a ele é correr o risco de ficar para trás. Quem dá as cartas não são mais as empresas. Por isso, o que conta agora é seguir os passos dos clientes. Hoje, são eles que puxam as tendências. E se eles são digitais, nada mais normal que o mercado seguir na mesma direção, se reinventando nas formas de se relacionar. “A revolução digital veio para ficar, nos desafiando a ser cada vez mais agentes de mudanças. O mercado mudou e o perfil do consumidor também. Cabe a nós ser ágeis o suficiente para sair na frente e conquistar esse novo cliente digital”, pontua Silvia Aragão é diretora comercial e de novos negócios da Orbitall.
Nesse sentido, Amanda Matos Cavalcante é gerente de marketing da Triad Systems, destaca que reimaginar o negócio, reavaliar a cadeia de valor e reconstruir a organização são ações primordiais para alcançar a liderança. “Dois pontos são os mais importantes nesse processo. O primeiro ponto precisa ser o autoconhecimento. Você conhece profundamente sua empresa, seus profissionais, seus produtos e seus serviços? O segundo, e ainda mais importante: você conhece o seu cliente e a necessidade real dele?”
Dentro disso, ela reforça que, na era digital, o ponto de vista e a necessidade do cliente precisam ser o centro de tudo – de todas as estratégias e decisões da empresa. A pergunta chave hoje deve ser: “qual a importância do meu produto e/ou serviço no contexto de vida do meu cliente?”. E o desafio não para por aí, segundo a executiva. “É preciso conhecer não somente ´quem é o seu cliente´, mas também ´quem é o seu cliente hoje´, pois o comportamento muda constantemente. É preciso se mover para onde os clientes estão se movendo, ou você perderá relevância e representatividade no mercado”, pondera.
A opinião é reforçada por Laura Bassett, diretora de marketing para soluções customer e team engagement da Avaya, afirmando que o sucesso organizacional neste momento, depende de uma coisa: a transformação digital. Ela explica que a transformação digital pode significar muitas coisas, mas inclui uma ideia fundamental – aplicar tecnologias digitais a todos os aspectos da vida. “Para os consumidores isso já é uma realidade: eles usam seus smartphones, laptops, tablets e aplicativos favoritos para fazer tudo durante todo o dia. Para as organizações, isso significa descobrir como aproveitar as tecnologias digitais (aplicativos, processos, procedimentos) e recursos existentes (essencialmente o talento de seus funcionários) em seus negócios de maneira estratégica para atender as necessidades dos consumidores a qualquer momento – o tempo todo. E fazer melhor do que a sua concorrência”, explica.
Dessa forma, ela indica que a transformação digital bem-sucedida requer uma mudança no comportamento organizacional e na mentalidade cultural da empresa. “Isso quer dizer que é necessário criar um roteiro estratégico que descreva a implementação e a melhoria contínua dos processos.” Significa, também, que as empresas precisam trabalhar para verdadeiramente conhecer e entender seus clientes, ou seja, os líderes das empresas devem ter um controle real sobre os dados gerados que alimentam suas organizações, segundo Laura. “Parece desafiante, mas não é impossível. Para isso, é necessário entender os principais desafios de transformar as experiências ultrapassadas para o mundo digital e definir os passos a serem seguidos para minimizar a interrupção e impulsionar a adoção de novas capacidades digitais.”
Para Glenn Johnson, vice presidente sênior da Magic Software Enterprises Americas, um mundo, aparentemente sem barreiras, está empurrando todos para essa ruptura digital, acrescentando que líderes e organizações de negócios inteligentes e visionários estão aproveitando a oportunidade sem precedentes para impulsionar oportunidades escondidas neste universo em transformação. “E se você ainda não está convencido de que a reinvenção é vital para a sua empresa, se ainda tem dúvidas se o seu negócio é relevante, se atende o seu cliente e se você precisa se reinventar, pare tudo agora. Ao sinal da menor dúvida, pergunte-se: qual problema relevante do meu cliente posso resolver? Como posso reinventar meu negócio para atendê-lo? E mais: como posso reinventar meu negócio para sobreviver? O momento é agora. Estude, aprofunde-se, tenha coragem, reinvente-se”, alerta Amanda.
Source: Cliente SA

Back to top